Coronavírus e o Mercado Imobiliário: oportunidade ou risco?

Artigos

As medidas de contenção à transmissão do novo Coronavírus (COVID-19) inviabilizaram o funcionamento de muitos estabelecimentos. Essa pandemia fez com que o valor de mercado de Shoppings e comércios no geral atingissem mínimas históricas.

No entanto, em muitos casos, o investimento em imóveis continua sendo uma alternativa segura, apesar de crise econômica causada pela pandemia de Coronavírus. Isso acontece porque o setor apresenta conjuntura que indica um bom momento para a aquisição de imóveis: juros baixos, inflação em queda e linhas de financiamentos imobiliários acessíveis.

Além disso, a Associação das Empresas do Mercado Imobiliário assegura que a construção civil continua sendo um negócio sólido, seguro e que vai articular para sofrer o menor impacto possível e, assim que possível, vai retomar as obras suspensas.

E é importante ressaltar também que a indústria da construção civil desempenha papel crucial na economia brasileira, respondendo atualmente por cerca de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) e mais de 5% dos empregos com carteira assinada. 

A decisão de suspender as obras em andamento foi motivada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que, diante da pandemia de Coronavírus, orientou que o máximo de pessoas possíveis permanecessem em casa. Com isso, continuaram em andamento apenas as obras essenciais, como de hospitais, de saneamento, entre outras. Durante este período, os estandes de venda estarão fechados.

Mas se olharmos por outro lado, os corretores de imóveis permanecem trabalhando através de atendimentos por telefone ou online, podendo inclusive realizar visitas aos imóveis e apartamentos com agendamento prévio e tomando as devidas precauções indicadas pelas autoridades da saúde. 

Ou seja, essa poderia ser uma forma de manter esse mercado ativo para as vendas.